Contos

Amor Fora Da Lei – Capítulo 1

Nós havíamos recebido o telefonema de uma loja que foi arromabada por um bandido logo pela manhã,um dos vizinhos que presenciou o arombamento fez a denúncia e eu e o meu “amigo“ Luiz pegamos a viatura e fomos correndo até o local.

Como já era de ser esperar a rua estava vazia e o bandido agora pegava algumas roupas da loja e colocava em uma sacola,pois provavelmente já tinha pego o dinheiro do caixa.

Eu – Mãos pro alto meliante!

Ele se assustou com a nossa presença e apontou a arma na nossa direção.

Luiz – Coloca essa arma no chão agora antes que eu estoure os seus miolos!

O ladrão colocou a arma no chão lentamente e em um momento de distração meu,ele chutou a minha arma que caiu no chão e eu passei uma banda nele o imobilizei e algemei o bandido.

Luiz – Acabou a sua festa feioso.

Nós colocamos ele na viatura e o levamos até a delegacia.

Já eram 10 da manhã e Luiz e eu estavamos tomando um café na sala dos policiais.

Luiz – Você foi rápido hoje hein…gostei de ver.

Eu – Eu sempre sou rápido.

Luiz – Esse seu jeitinho convencido me deixa com maior tesão sabia? Disse ele sussurando e apertando o seu pau por cima da calça.

Eu – Quantas vezes eu vou ter que te dizer pra não falar sobre essas coisas aqui no trabalho.

Luiz – Calma pra quê essa marra toda,faz tempo que a gente não se encontra pra brincar um pouco…tava com saudades só isso…

Eu – Você sabe que eu não quero nada fixo com ninguém.

Luiz – Mas eu quero com você…caramba Otávio tem horas que eu não te entendo.

– Eu tô enganada ou eu tô interompendo uma DR? Disse a nossa colega policial Paolla falando.

Luiz – Que nada…nós estavamos falando sobre umas coisas do trabalho.

Paolla – Sei…o delegado vai fazer uma reunião depois do horário do almoço e quer que vocês dois estejam presentes…vou nessa agora. Disse ela saindo.

Paolla era um ótima colega de trabalho,além de ser bastante bonita com os seus cabelos loiros e 1,80 de altura,já o Luiz era uma espécie de amigo colorido,ele é um cara bem bonito também 1,80 de altura,moreno e bastante musculoso.

Depois que a Paolla saiu eu disse.

Eu – O meu irmão vai dormir na casa da namorada hoje,depois do expediente você passa lá em casa.

Ele deu um sorriso igual ao de uma criança quando ganha um doce,enquanto me assistia ir embora.

Bem acho que eu tenho que me apresentar a vocês.Eu me chamo Otávio Almenar e sou policial militar no Mato Grosso do sul,lugar onde eu nasci e fui criado e vivi momentos felizes e tristes.Eu me considero um cara bem bonito,sou branco,tenho 1,75 de altura,cabelo ruivo que eu deixo cortado em um topete,rosto sem barba e olhos azuis,meu corpo era musculoso sem ser exagerado destaque para as minhas pernas e bunda que cresceram bastante por causa do futebol.Eu sou bissexual assumido,mas sou muito discreto e não quero relacionamentos sérios,até porque nesse momento estou focado no meu trabalho e em colocar o meu irmão,Jean,na faculdade.

Eu crio o meu irmão a dez anos,hoje em dia eu tenho 28 e ele 18 anos e eu passei a criar ele depois que os nossos pais foram assassinados por dois criminosos.

Flash Back On

Quando eu ainda tinha 18 anos e o Jean 8,nós moravamos em uma casa espaçosa na região central de Campo Grande com os nossos pais e em um determinado dia,nós ouvimos um barulho que nos fez acordar pela madrugada.

Jean – Ouviu esse barulho irmão?

Eu – Eu ouvi sim.

Nós saimos do quarto e ao chegarmos na escada nós vimos dois ladrões na sala que estavam roubando todas as nossas coisas.

Jean – Eles invadiram a nossa casa. Disse ele com medo.

Eu – Vamos pro meu quarto.A gente precisa chamar a polícia.

Nós fomos silenciosamente até o meu quarto e ligamos para a polícia.

Eu – A gente precisa avisar o papai e a mamãe.

Nós fomos até o quarto dos nossos pais e ao entrarmos lá o quarto estava vazio e nós ouvimos um barulho de tiro e um grito na sala.

Ao descermos a escada o nosso pai estava morto no chão com um tiro no peito e a minha mãe estava desesperada.

Eu – Pai! Disse correndo até o corpo dele.

Ladrão – Cala a boca se não eu mato vocês também.

Derepente nós ouvimos um barulho de sirene e os policiais arombaram a porta da nossa casa e entraram.

Policial – Mãos ao alto!

O primeiro bandido fez a minha mãe de refém a agarando e apontando a arma pra cabeça dela e o segundo tentou nos pegar como reféns,mas Jean e eu corremos em direção aos policiais.

Ladrão – Se chegarem perto de mim eu acabo com ela.

Policial – Não tem mais saída pra você,se entregue agora.

Naquele momento eu me senti super impotente,eu não podia fazer nada para ajudar a minha mãe,o bandido estava com a mão no gatilho e derepente ele solta e a bala atravessa a cabeça da minha mãe.

A partir daquele dia eu decidi qie seria policial para colocar todos os bandidos na cadeia e desde de então eu cuido do meu irmão.

Flash Back Off

Depois do almoço nós fomos até a sala do delegado Marcos,pois ele queria ter uma conversa conosco.

O Marcos era um chefe bem legal e era um cara quarentão,branco,parudo e pelido,com cabelos pretos e com um fios grisalhos,era um cara bem bonito.

Marcos – Como vocês sabem a umas semanas atrás nós havíamos descoberto um esquema de transportação de drogas do Rio De Janeiro até aqui em Campos no Mato Grosso do Sul.

Luiz – Sim…mas aonde o senhor quer chegar?

Marcos – A maioria dessas drogas vem do Morro Rosa Branca é uma das maiores favelas do Rio De Janeiro.Eles tem um esquema estratégico muito forte,não adianta entrar na favela atirando pra espantar eles…nós precisaremos que um policial daqui se passe como morador da Rosa Branca e se infiltre na gangue.

Paolla – Eu entendo o esquema,mas porque tem que ser alguém daqui e não um policial do Rio?

Marcos – O chefe dessa facção se chama Gilson mais conhecido como Ticão é um dos maiores assassinos de policiais que existe nesse país,todos os policiais do Rio estão marcados plr ele e se algum policial carioca entrar lá será facilmente descoberto e morto.

Eu – Eu quero ir.

Paolla – O que?

Eu – Eu quero me infiltrar no morro da Rosa Branca…vocês sabem que eu não perco um desafio.

Marcos – Olha Otávio…eu não sei se é boa ideia você ir…

Eu – Como assim Marcos? O senhor tá duvidando da minha competência?

Marcos – Claro que não…é que você é o meu braço direito e esquerdo aqui.

Eu – Pra isso você tem a Paolla e o Luiz que são ótimos policiais.Por favor Marcos,faz tempo que eu tô querendo fazer uma coisa diferente.

Marcos – Ok,você venceu.

Marcos – Amanhã um especialista em disfarce vem aqui,provavelmente você vai ter que udar a cor do cabelo e usar uma identidade falsa.

Depois que o meu expediente acabou eu fui direto pra casa e o meu irmão estava saindo,ele era um rapaz bem bonito,1,70 de altura,cabelo ruivo cortado na máquina 2 e os músculos jovens em desenvolvimento,além dos olhos azuis que ele tinha puxado do meu pai,assim como eu.

Eu – Já tá de saída?

Jean – Sim eu vou dormir na casa da Camila.

Eu – Ótimo…eu vou receber visita hoje também.

Jean – Aposto que é o Luiz.

Eu – O senhorzinho anda cuidando muito da minha vida.

Luiz – Porque você não namora logo com o Luiz? O cara é boa pinta,além de ser gente boa.

Eu – Acontece que o Luiz se comporta mais como adolescente do que você.

Jean – Poxa irmão você só vive pra trabalhar,vai morrer solteiro desse jeito.

Eu – Você não ia pra casa da Camila?

Jean – Tó indo…vou deixar você avontade com o seu Luizão kkk.

Eu – Vê se usa camisinha,não quero ser tio tão cedo.

O Jean e eu sempre tivemos uma relação muito bacana,mais do que irmãos nós eramos amigos.

Depois que ele saiu eu tomei um banho e fiquei esperando o Luiz.Ele foi a primeira pessoa que falou comigo no meu primeiro dia de trabalho,ele é um cara divertido e um ótimo amante,mas não servia pra um relacionamento sério,até porqie eu sei que ele fica comigo e com mais 10.

Ele tocou a campainha e ao abrir a porta não deu tempo de dizer nada,pois ele já veio me beijando.

Luiz – Saudade do seu corpo. Disse apertando a minha bunda.

As nossas iam ficando pelo caminho,enquanto nós nos beijavamos em direção ao meu quarto.

Ele sentou na cama e eu tirei a cueca dele e o pau dele saltou duro pra fora,era um pau moreno meio frosso e com 19cm,eu masturbei ele de leve e comecei a fazer um oral nele.

Luiz – Ahh caralho que saudade que eu estava dessa boquinha.

Depois que eu deixei o pau dele bem babado ele disse.

Luiz – Deita de barriga pra cima.

Eu me deitei e ele voltou a beijar a minha boca e em seguida foi descendo pelo meu pescoço,até chegar nos meus mamilos e começar a chupa-los,em seguida ele foi descendo e beijando os gominhos da minha barriga um a um,até chegar no meu pau e começar a chupa-lo.Modéstia parte eu tenho um pênis bem bonito,18cm,bem grosso e com uma cabeça grande e bem rosada.

Depois de ter me chupado,ele levantou as minhas pernas e começou a fazer um beijo grego em mim.

Luiz – Tá apertadinho rsrs pelo visto eu fui o último que entrou aqui rsrs.

Eu – Palhaço rsrs.

Ele encostou a cabecinha do pau dele na minha entrada e começou a empurar,até que eu percebi que ele estava sem camisinha.

Eu – Não Luiz põe a camisinha.

Então ele foi até a gaveta e pegou uma camisinha e voltou a me penetrar.No começo eu sofri um pouco,poisjá fazia tempos que eu não transava.Depois de estar todo dentro de mim ele começou a bombar e eu não conseguia conter os gemidos.

Luiz – Tá gemendo de saudades da vara do Luizão rsrs.

Eu – Fica quieto palhaço!

Nós trocamos de posição e ele começou a mre comer de ladinho,enquanto me masturbava eu gozei na mão dele e ele saiu de dentro de mim,tirou a camisinha e gozou em cima da minha bunda.

Nós pedimos uma pizza e ficamos comendo no sofá,enquanto assistiamos um filme.

Eu percebi que as horas estavam passando e nada do Luiz ir pra casa.

Eu – Tá meio tarde né…

Luiz – Ah deixa eu dormir aqui.

Eu – Tudo bem…mas não vai acostumando não malandro.

Nós fomos para o meu quarto dormir e no dia seguinte nós fomos para a delegacia bem cedo e eu me encontrei com o Piere que me ajudou a conseguir documentos falsos,é claro que essa é uma operação secreta e tudo está sendo monitorado pelas secretarias de segurança do Mato Grosso Do Sul e do Rio De Janeiro.

Piere – Nós achamos melhor você não pintar o cabelo,até porque você é ruivo e esse tom de cabelo é meio complicado,mas a partir de agora o seu nome é Bruno Oliveira e você parte depois de amanhã na sexta-feira a noite.

Eu – Nossa…mais rápido do qie eu pensei.Então assim que eu chegar em casa eu irei fazer aw minhas malas…

Piere – As suas roupas de homem sério não combinam nada com as dos moradores do Morro Da Rosa Branca,a sua mala está aqui. Disse ele me entregando uma mala preta grande.

Piere – Ai tem regata,bermuda tactel e essas coisas que eles usam por lá.

Eu – Tudo bem…eu vou tentar fazer amizade com um dos traficantes para poder ser um “membro“ da facção deles.

Nesse momento o Marcos entrou na sala e disse.

Marcos – Eu sei que o Piere está te dando todas as informações,mas eu preciso te dar uma instrução…é preciso que você seja amigo do Gilson ( o Ticão chefe do morro) você é um cara simpático,vai ser fácil conquistar a amizade dele.

Eu passei praticamente o dia inteiro dentro da delegacia conversando com o Marcos sobre essa operação e só cheguei em casa por volta das 10 da noite.

Jean – Tava no trabalho ainda?

Eu – Estava sim…eu vou ter que fazer uma viajem de trabalho na sexta-feira a noite e você vai ficar na casa do Marcos com o filho dele.

Jean – Porque eu não posso ficar aqui em casa sozinho?

Eu – Eu vou viajar pra uma missão arriscada,se a bomba estourar eu quero que você esteja em um lugar seguro

No dia seguinte o Marcos me ligou de manhã cedo e disse que eu estava de folga e que deveria me preparar para a viajem e foi isso que eu fiz e na sexta-feira de tarde eu levei o Jean até o apartamento do Marcos.

Jean – Você vai ficar quanto tempo fora?

Eu – Mais ou menos 3 meses,mas fique tranquilo e ajude o Marcos nas tarefas de casa.

Marcos – Ele está em boas mãos aqui…o meu filho Diogo vai adorar conhecer ele também.

Eu me despedi do meu irmão e em seguida me despedi do Marcos.

Eu – Muito obrigado…você além de um chefe exelente é um amigo incrível.

Marcos – Você merece…toma cuidado por lá. Disse ele me abraçando.

Depois de ter me despedido do Marcos e do Jean eu fui até o aeroporto,pois o meu vôo saia as 19 horas.

Ao embarcar no avião eu segui rumo ao Rio De Janeiro.

Eu tinha uma maneira secreta de me comunicar com a delegacia do Catete no Rio e tinha um esquema secreto de conversa com o Marcos também,pois desse jeito se alguém pegasse o meu celular não descobriria nada.

Já no táxi eu estava encantado com as belezas daquela cidade e levou mais ou menos 2 horas do aeroporto até o Morro Da Rosa Branca.

Eu subia aquelas vielas em direção a casa que eu tinha alugado que ficava mais ou menos na metade do morro.

Eu vesti um boné vermelho,uma regata da mesma cor e um short preto e todos me olhavam,pois sabiam que eu não era dali.

As casas eram bem precárias e as crianças brincavam descalças pela rua.Logo eu cheguei no meu endereço e quem me recebeu foi a dona Joana a dona do imóvel.

Joana – A casa é simples,mas é de piso,tem laje toda direitinha.

A casa tinha apenas um quarto e apesar de ser só tijolo do lado de fora,era bem bomitinha do lado de dentro e já tinha todos os móveis,acontece que uma agente disfarçada se passou por minha tia e alugol a casa.

Joana – Olha o Ticão não gosta muito que venha gente de fora morar aqui,então é capaz de ele mandar um dos homens dele pra conversar com você,mas é só tu manter a calma que eu já expliquei tudo pra ele.

Eu jásabia quem era o tal ticão,eu já vi uma única foto dele que estava com uma resolução péssima,mas daria pra reconhecê-lo

Durante a noite eu estava assistindo televisão quando ouço umas batidas fortes na porta.

Eu – Já vai!

Ao abrir a porta lá estava o Ticão imponente na minha frente.

Ticão – Tô querendo bater um papo contigo irmão. Disse com a voz grossa dele.

Agora começa o jogo.

CONTINUA.

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar